Wellington do Curso discute os impactos da possível demissão de cobradores de ônibus em São Luís

O deputado Wellington do Curso (PSDB) participou, na sexta-feira (7), de uma audiência pública na Defensoria Pública do Estado, onde foi debatido o impacto da possível demissão de cobradores de ônibus pelas empresas de transporte coletivo de São Luís.

O evento, que teve como objetivo articular meios jurídicos e efetivos que impeçam que os cobradores sejam demitidos e, consequentemente, que motoristas fiquem desempregados, contou com a participação do sub-defensor público estadual Gabriel Santana; do defensor do Consumidor Airom Santos; dos vereadores Marcial Lima, César Bombeiro e Ricardo Diniz, e vários cobradores de coletivos.

O deputado Wellington do Curso, que tem levantado essa bandeira a favor dos trabalhadores do transporte coletivo de São Luís, agradeceu ao presidente Othelino Neto (PC do B) e aos demais pares pelo apoio àquela causa.

“Pautamos durante toda a semana o trabalho na Assembleia Legislativa em defesa dos trabalhadores  e, hoje, estamos aqui nessa audiência para articular meios que impeçam que os cobradores sejam demitidos. Quero agradecer ao presidente Othelino Neto (PC do B) e aos demais pares, pois estamos aqui em nome da Assembleia Legislativa, defendendo os trabalhadores  do transporte público de São Luís. Nós verificamos vários ônibus já trafegando em São Luís sem o cobrador. Por isso, estamos aqui na Defensoria Pública e vamos apresentar  uma representação pública para que ela possa, também, ajuizar uma ação civil pública em defesa dos cobradores e da manutenção de seus postos de  trabalho ”, disse o deputado.

Ele destacou ainda um estudo feito recentemente pelo IBGE, que demonstra que, entre 2017 e 2018,  aumentou em 14%  o número de desempregados  no Maranhão. “Nós temos que reverter esse quadro e, não é desempregando mais ainda que vamos resolver isso. Logo, há uma omissão por parte do prefeito de São Luís Edivaldo Holanda Júnior, dos empresários e do Sindicato dos Rodoviários. Por isso, estamos dando total apoio aos cobradores e motoristas de ônibus de São Luís e, também, defendendo os usuários do transporte público da capital”, argumentou o deputado Wellington do Curso.

 

Defesa do Consumidor

O sub-procurador Gabriel Santana parabenizou e agradecer a Wellington do Curso pela convocação daquela audiência. Ele afirmou que o deputado tem sido um parceiro e um parlamentar aguerrido. “Nós estamos aqui para atuar na defesa do consumidor, para discutir o impacto da possível demissão dos cobradores. Também não vemos com bons olhos o impacto disso para os senhores e, também, para o funcionamento do serviço público. Isso é algo que a Defensoria tem que abraçar em defesa de todos vocês. Não é todo dia que vemos parlamentares com o pé na rua, envolvidos com as causas dos trabalhadores. Por isso, parabenizo o deputado Wellington do Curso e os vereadores Marcial Lima, Ricardo Diniz e César Bombeiro”.

O defensor do Consumidor, Airon Santos, disse que a Defensoria Pública solidariza-se com todos os cobradores e, também, que se preocupa com a precarização dos serviços que essa medida poderá causar.  Ele afirmou que a Defensoria Pública abriu procedimento de tutela pública coletiva para verificar os impactos dessa medida aos consumidores.

“Por um lado, há o prejuízo que vocês estão tendo com a ameaça de demissão e a Defensoria solidariza-se. Mas, mira também, o serviço. Se eu tiro o agente desse serviço, eu acabo com esse serviço. No primeiro momento, entendemos que essa preocupação de vocês, do deputado Wellington e dos vereadores, é razoável. Nós vamos analisar tudo com muita atenção”, afirmou o defensor Airon Santos, enfatizando que também analisará a ação civil pública ajuizada pelo deputado Wellington do Curso, mas não descarta entrar com outra ação. “A Defensoria não descarta entrar com outra ação civil pública. Vamos analisar a ação ajuizada pelo deputado e, caso falte algum pedido, iremos dar entrada em outra ação”, informou Airom Santos.

Surpresa

“Pra mim, foi uma surpresa essas demissões, porque eles (os empresários) não prepararam a gente para nada. Tudo foi feito às escondidas. Eles não adaptaram os ônibus para que os motoristas possam fazer a dupla função. Foi somente tirada a catraca e colocada para frente. Nesta semana, eu estava trabalhando com um parceiro e ele ia derrubando dois passageiros. Ainda bem que eu estava prestando atenção. Um outro parceiro ia passando por cima da cabeça de uma passageira aqui no Terminal da Praia Grande, pois ela caiu e o colega não viu. E ele me disse que estava preparado para trabalhar sozinho. Aí eu perguntei se ele realmente estava preparado para trabalhar sozinho. Eles não foram preparados para nada. Tem motorista ai que está passando troco errado e está pagando a renda todo dia, pois ele não sabe se passa troco ou se presta atenção nem na porta dos ônibus”, disse Lucilene Sousa, cobradora de coletivos há cinco anos.

O cobrador João Carlos também disse que está preocupado com a possível demissão dele e dos companheiros. “Não é somente nós que vamos perder com isso. A população também vai perder. Então, nós estamos aqui porque estamos com medo de perder o nosso emprego. Estamos lutando pelos nossos companheiros que estão trabalhando e não puderam vir”, disse  João Carlos.

O deputado Wellington do Curso também foi as ruas, ouviu a população e os rodoviários, verificou e constatou que vários ônibus já circulam em São Luís sem a figura do cobrador.

 

Por Nice Moraes/Agência Assembleia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: