Notícias

“CORONEL VALENTÃO DA ILHA” | Prefeito tenta justificar sua incompetência atacando vereadores de São Luís/MA

Por G7 MA – João Filho (editado)

Quem conhece Eduardo Braide sabe de seu perfil arrogante, perseguidor, retaliador e rancoroso. Desde que assumiu a gestão municipal, ele tem tratado a Câmara de Vereadores de São Luís de forma desrespeitosa.  Braide age com desprezo também contra servidores, principalmente aqueles que não leem em sua cartilha.

O prefeito de São Luís mostrou durante discurso de ódio neste sábado (29) na Chárara Itapiracó, no Complexo do Cohatrac/Turú, onde chegou atacar vereadores de oposição, mostrando que a CPI lhe incomodou bastante e que pode ter culpa no cartório. Braide imitou perfeitamente seu ídolo Bolsonaro ao colocar a culpa de seu fracasso em terceiros.

Com um discurso de ódio para tentar intimidar o vereador Ribeiro Neto, que se fazia presente na ação, Braide foi o que todo mundo conhece: arrogante, rancoroso e perseguidor ao afirmar que não estaria trabalhando por conta dos vereadores que lhe investigam através da CPI dos contratos.

O mandatário ludovicense que usa o mecanismo legal de desapropriação para invadir terrenos privados onde quer e ninguém diz nada, mostrou que tem medo da CPI dos Contratos lhe derreter, principalmente às vésperas das eleições. Com isso o prefeito de São Luís tenta passar aos ludovicenses que sua gestão fracassada é culpa dos vereadores. É bom lembrar que Braide é investigado por contratos emergenciais suspeitos e sem licitação.

Em sua fala de ódio, Braide insinuou que os parlamentares não estaria deixando ele trabalhar, na tentativa de colocar o povo contra os vereadores. “Quando as máquinas estiverem passando na Chácara Itapiracó, perguntem se o vereador de vocês é o que assinou a CPI para não me deixar trabalhar, ou se é o que me deixa trabalhar”, disparou Braide tentando se vitimizar.

Após a fala de apologia ao ódio feita por Braide, a Câmara de Vereadores de São Luís, por meio de seu presidente, reagiu imediatamente e publicou uma Nota de Repúdio contra o discurso de ódio do prefeito de São Luís.

Durante uma solenidade no bairro Chácara Itapiracó, o prefeito provocou uma situação muito arriscada ao tentar jogar a comunidade contra o vereador Ribeiro Neto (PSB), que é o 2º vice-presidente da Casa. Por conta da situação, os populares, que acompanham a luta diária do parlamentar em favor da localidade, ficaram enfurecidos contra o desrespeito ao seu principal líder.

Não satisfeito, Eduardo Braide ainda foi desrespeitoso e ofensivo ao criticar a decisão do Legislativo em criar a CPI dos Contratos Emergenciais para apurar várias acusações noticiadas pela imprensa, inclusive, um suposto envolvimento de irmãos do prefeito com fatos que maculam a prestação dos serviços públicos da sua administração.

Acreditamos que as críticas são legítimas e fazem parte da democracia, mas não podemos aceitar incitação à violência. O chefe do Executivo deve agir de forma institucional para estabelecer uma relação harmônica entre os Poderes conforme diz a Constituição Federal, sendo inconcebível que Braide se comporte de forma arbitrária no exercício desta nobre função.

Atentar contra a ordem constitucional não faz parte da cidadania. Nós, vereadores e vereadoras, reafirmamos aqui a nossa posição em defesa da democracia, de respeito aos Poderes e de preservação das instituições.

Ressaltamos ainda que a posição do Legislativo em apurar denúncias e indícios de irregularidades envolvendo a gestão municipal é indiscutível à luz da Constituição Federal. A Mesa Diretora não tem poderes discricionários para impedir a instalação de CPIs ao contrário do que ocorre nos casos de abertura de um processo de impeachment contra o chefe do Executivo.

Se o prefeito Eduardo Braide, por má compreensão do direito ou por receio das investigações parlamentares, entendeu ser oportuno criticar a instalação da CPI, deveria tê-lo feito em termos compatíveis com a dignidade do mandato que exerce.

Cabe destacar ainda que a instauração da comissão de investigação é um alento para os cidadãos ludovicenses que lutam contra a corrupção, considerada um mal que afeta toda a sociedade e a resposta da Casa Legislativa foi no sentido do clamor popular.

O ataque do gestor maior da cidade aos legítimos representantes do povo é admissível nos Estados Democráticos de Direito. O que não se admite é a postura de alguém investido no cargo de prefeito para hostilizar vereadores e vereadoras, com propósitos autoritários e ofensivos à constitucionalidade do país.

Por fim, esclarecemos que uma CPI não tem o condão de impedir o prefeito de trabalhar. Pelo contrário: o colegiado tem o objetivo de apurar eventuais indícios de corrupção, algo que a população mais condena por ser uma forma de desonestidade praticada por uma pessoa ou alguém que ocupa uma posição de autoridade, com o objetivo de obter vantagens ilegais ou usar o poder para fins pessoais.

Que o gestor possa reconhecer que se excedeu em suas falas desrespeitosas.

Vereador Paulo Victor
Presidente da Câmara Municipal de São Luís

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *