Após oitivas de Bardal e Anderson, investigações devem ser federalizadas

Após a audiência pública na Comissão de Segurança da Câmara Federal, com as oitivas do delegado Ney Anderson e do ex-delegado Thiago Bardal, os deputados federais Aluísio Mendes (Podemos) e Edilázio Júnior (PSD) defendem a federalização das investigações.

Na audiência, tanto Bardal quanto Anderson, reafirmaram as denúncias contra o secretário de Segurança do Maranhão, Jefferson Portela. Ambos asseguraram que Portela determinava direcionamento nas investigações e que desembargadores e políticos foram alvos de grampos e investigações ilegais.

O autor do requerimento para a realização da audiência pública, deputado Aluisio Mendes, assegurou que deputados da Comissão de Segurança devem se reunir, ainda nesta semana, com a procuradora geral da República, Raquel Dodge, para apresentar o caso.

“Estamos consolidando um documento para entregarmos a procuradora Raquel Dodge, em audiência que queremos realizar ainda essa semana, para apresentar o caso a ela”, afirmou Aluisio Mendes, que lembrou ainda que o senador Roberto Rocha deve realizar uma audiência pública no Senado Federal para tratar do assunto.

Aluisio Mendes voltou a apontar como saída para o caso, uma auditoria do Sistema Guardião e o afastamento do secretário Portela, para que exista uma investigação isenta no Maranhão, mas se isso não acontecer, a federalização das investigações srrá solicitada.

“Acho que agora a única solução, se o Governo do Maranhão insistir na não realização de auditoria isenta no Sistema Guardião e no afastamento mesmo temporário do secretário Jefferson Portela, é nós pedirmos a federalização das investigações”, declarou.

O deputado federal Edilázio Júnior também tem o mesmo entendimento, defendendo a federalização das investigações diante da inércia do Governo Flávio Dino.

“Todos nós estávamos ansiosos sobre o depoimento dos delegados, puderam esclarecer e tirar várias dúvidas.  E eles mostraram muita firmeza, foram contundentes. Falaram nomes de operações, nomes de pessoas que foram investigadas e cabe agora ao secretário de Segurança pedir voluntariamente a auditoria no Sistema Guardião ou aguardar o que vou fazer aqui na Câmara e no Senado, que é pedir a federalização das investigações, para que possamos saber quem está faltando com a verdade, se são os delegados e ou se é o secretário de Segurança Pública do estado do Maranhão”, disse Edilázio.

É aguardar e conferir o posicionamento do governador do Maranhão,Flávio Dino, diante do caso, mas até agora, a estratégia adotada é do silêncio sepulcral.

Por Jorge Aragão

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

%d blogueiros gostam disto: